As Árvores do Jardim

O Jardim da Estrela é um dos mais belos e bem cuidados jardins de Lisboa. Foi plantado pelos jardineiros Bonard e João Francisco. Tem uma linda vegetação, canteiros bordados de flores de plantas variadas, três lagos, onde passeiam cisnes e se vêem plantas aquáticas raras, uma gruta artificial e várias estufas decoradas com um friso de azulejos caricaturais de transição do séc. XVII para o séc. XVIII.

Existem vários tipos de árvores plantadas neste jardim.

A Amoreira é utilizada como árvore decorativa, aparece frequentemente em estradas transmontanas. Existem dois tipos: a amoreira-negra (morus-nigra) e amoreira-branca (morus-alba), que se distinguem pela cor dos seus frutos, vermelhos, negros e brancos, rosa ou violeta, respectivamente. O seu tamanho pode ultrapassar os 15 metros e os seus frutos são comestíveis e de sabor agradável, sendo utilizados para fazer geleia, compotas, xaropes e licores. As folhas da amoreira são utilizadas para alimentar as larvas do bicho da seda, pelo que o seu cultivo tem um interesse comercial.

O Choupo é uma árvore de grande porte, da família das Salicáceas, também por vezes designado por "álamo". No hemisfério norte existem cerca de 30 espécies.

O Carvalho-Nacional é uma das árvores das Fagáceas, género Quercus, e com cerca de 600 espécies distribuídas pelas zonas temperadas do hemisfério norte e pelas grandes altitudes das regiões tropicais da América do Sul e Ásia. É uma espécie que chega a atingir 40 m. A sua madeira é muito apreciada, é pesada e resistente e a sua duração debaixo de água é ilimitada, por isso utilizada em várias construções, como, por exemplo, pontes, móveis, minas, revestimento de casas, etc. As folhas abovadas ou ablongo-abovadas, de 6 a 16 cm, são verde escuras na página superior e claras na inferior. Os frutos e bolotas de 2 cm são verdes, inicialmente, e castanhos depois de maduros e constituem uma importante fonte de alimento para a fauna selvagem. Atingindo os 400 anos de longevidade, nalguns casos, chega mesmo aos 800 anos. A floração dá-se em Abril/Maio, e a maturação dos frutos, no Outono.

O Castanheiro pertence à família das Fagáceas e compreende cerca de 10 espécies arbóreas. Os frutos, as castanhas, ricos em amido, foram uma importante fonte de alimentação humana, sobretudo antes de a batata ser introduzida nos hábitos alimentares nacionais. Esta árvore é originária do Sudoeste Asiático e julga-se terem sido os romanos a trazê-la para a Europa. É plantada em sítios esponjosos, de pouco calcário, muito ácidos, frescos e húmidos. Atinge os 35 metros e alcança no máximo 500 anos. As folhas medem de 10 a 25 cm por 5 a 8 cm, são caducas, ásperas, com dentes espinhosos e página superior lustrosa. Os frutos são secos e com uma só semente. Produzem-se em grupos, numa cúpula espinhosa - o ouriço-verde-amarelado, que se abre em 4 valvas, por onde são libertadas as castanhas.

A Palmeira é da família das plantas monocotiledóneas, na grande maioria tropicais, cujo caule é um espique, frequentemente simples e coroado por um tufo de folhas ramificadas. Os frutos são bagas ou de caroço com um endosperma nutritivo e rico em matérias gordas. As folhas são utilizadas para telhados, vassouras, etc., sendo a madeira utilizada na construção de casas.

O Pinheiro Bravo é da família das Pináceas. É uma espécie comum em Trás-os-Montes, sendo uma das mais atingidas em fogos florestais pois, sendo a sua madeira resinosa, é um excelente combustível. Tem uma copa achatada e larga e chega a atingir várias dezenas de metros, sendo muito associado ao Natal. Cria-se em todo o tipo de solos. As pinhas chegam a atingir 22 cm e são castanhas claras e brilhantes.

O Plátano é uma árvore robusta, com folhas densas, largamente expostas. O plátano é apreciado pela qualidade da sua madeira e pelo seu carácter decorativo. Esta espécie é cultivada em Portugal e cresce rapidamente, atingindo os 30 metros e as suas folhas medem entre 12 e 25 cm.

A Cana-da-Índia, da família das canáceas, é muito apreciada pelas cores. Igual nome se dá a um arbusto da família das palmeiras, cujos caules servem para fazer bengalas, entre outros objectos.

O Dragoeiro é da família das Liliáceas, é usado para fins ornamentais e produz a resina vermelha.

A Nogueira é originária do Sudoeste Asiático e do Mediterrâneo Oriental. Cultiva-se fundamentalmente em virtude da qualidade dos seus frutos e necessita de solos profundos, ricos em nutrientes e protegidos das geadas tardias, pois as flores são sensíveis. As suas sementes e nozes são consumidas directamente ou espremidas para obter o óleo de nozes. A madeira é utilizada para móveis. É uma árvore com copa largamente ramificada.

A Oliveira é uma das árvores mais antigas e tem agora um grande interesse comercial. Tem folhas mais pequenas, frutos esféricos e ramos espinhosos. Raramente ultrapassa os 10 metros e, como o homem intervém no seu crescimento, as copas são variadas. Pode atingir os 1500 anos de longevidade. Necessita de muita luz para se desenvolver e de solo de boa qualidade. As geadas afectam o seu crescimento e a maturação dos frutos. As folhas têm cerca de 4 a 8 cm e são verdes acinzentadas na página superior e prateadas na inferior. As flores são pequenas e brancas, e os frutos e as azeitonas são comestíveis e, depois de tratados transformados, em azeite.

O Cedro é da família das Pináceas. Apresenta um grosso tronco, e a sua madeira era utilizada para a construção de barcos. Pode atingir os 30 metros e produz uma madeira excelente.

A Araucária é da família das Araucariáceas. Originária dos Andes e da Austrália, a sua altura ultrapassa os 50 metros.

A Acácia é originária da Austrália e é uma das preferidas da Europa do Sul. Em boas condições, atinge os 20 metros. As suas flores fazem lembrar um cacho.

Os Salgueiros podem atingir os 30 metros. A sua madeira é clara e é utilizada para as mesas de talho. O Salgueiro-Chorão pode atingir os 8 metros e as suas folhas contêm ácido acetilsalicílico, de que se produz a aspirina. Os seus comprimidos ramos também podem ser utilizados para cestas.

Para além de inúmeras espécies de árvores, o Jardim da Estrela é também rico em flores de variadas espécies, tal como a rosa.

 

 

Orlando Correia, Ricardo Candeias, Ricardo Carvalho, Vera Neto (11ºC)